29/11/16

jojo divulga clipe para "fab", terceiro single do recém-lançado "mad love"


Depois de dez anos sem lançar nenhum álbum por problemas com a Blackground Records que não aprovava nenhum material da cantora, Jojo conseguiu o que mais queria: a liberdade. Agora contratada da Atlantic Records (da grande Warner), Jojo já lançou dois EP's e, obviamente, o seu aguardado terceiro álbum de estúdio. "Mad Love" é facilmente um dos melhores álbuns pop's do ano. E, claro, um alívio pra carreira da cantora que, apesar de toda a dificuldade, sempre mostrou-se muito forte pra seguir na música.

E parece que o ano de 2016 vai ser sim o melhor ano pra Jojo. "Mad Love" alcançou a primeira posição da Billboard quando foi lançado e emplaca agora o seu terceiro single: "FAB". A música já tinha sido lançada como single promocional e agora ganha o título de single com a divulgação do clipe. Foi realmente a melhor escolha. "FAB" tem tudo pra ser um grande hit. A cantora aproveitou e já divulgou as datas da turnê "Mad Love" que começa ano que vem (shows por toda Europa e América do Norte, ou seja, nada de Brasil ou América do Sul, por enquanto).

Em todo caso, Jojo enfim alcançou tudo o que queria. E isso é maravilhoso, sim!

27/11/16

algumas considerações sobre a volta (triunfal) das garotas gilmore


Quando eu terminei a maratona de "Gilmore Girls" em 2014 eu pensei em como seria maravilhoso se alguém resgatasse a série e fizesse uma oitava temporada. Tinha alguns rumores envolvendo um possível, mas nada concreto... Por algum motivo, eu sabia que a série ainda tinha chances. "Gilmore Girls" sempre teve uma legião de fãs e apesar de não ser aquele sucesso estrondoso, foi uma série equilibrada (em todos os sentidos), ou seja, parecia muito certo que em algum momento, "Gilmore Girls" teria uma segunda chance.

Apesar desse primeiro parágrafo sobre a volta da série, não vou fazer textão do quão maravilhoso isso é. Você sabe, a volta de "Gilmore Girls", porém, tenho que dizer que, enquanto via os quatro episódios, a sensação foi parecida como a de alguém "vendo um milagre acontecer", sabe? Deu impacto e foi surreal. Talvez seja coisa de fã xiita que queria muito que "revival" acontecesse. E até então, a ficha ainda não tinha caído.

Com quatro episódios de 90 minutos cada, "Gilmore Girls", com o acréscimo "A Year in The Life", volta com um objetivo: traçar o presente e o futuro das três garotas Gilmore (Lorelai, Rory e Emily). Como a própria criadora disse em uma entrevista, a série não é sobre romances ou um simples cotidiano familiar, e sim, sobre o desenvolvimento pessoal de cada uma dessas mulheres. E que mulheres! Incrível como as três no revival estão tão complexas e, estranhamente, completas. A identificação do espectador com as três personagens é fácil e incrível. E, aliás, engraçado perceber que Stars Hollow, em 2016, mesmo com toda a tecnologia que não tinha no início dos anos 2000, soa tão interessante e ainda mais acolhedora (é, de fato, um sonho de cidade). O tempo fez bem. "Gilmore Girls" precisava voltar com essa "maturidade".

Lauren Graham e Alexis Bledel demonstram que a invejável química em cena ainda continua. E que ambas tem gás pra muito, mas muito episódios mesmo! Agora com 32 anos, Rory é pintada como uma verdadeira adulta, e a atuação de Alexis é tão condizente com a Rory adulta que, ainda sim, tudo soa ingênuo ou inocente. Ou seja, um casamento perfeito da atriz com a personagem. Alexis entendeu a Rory, agora mulher (e cheia de falhas e dúvidas). Em uma cena em particular, você percebe isso. Lauren é um destaque inquestionável que eu nem preciso especificar, porém, o grande trunfo da série fica a cargo de Kelly Bishop, a Emily.

Emily nunca foi o destaque em "Gilmore Girls", apesar da personagem ter roubado a cena em diversos momentos. E é no revival que a personagem ganha o tratamento que sempre mereceu (o de uma garota Gilmore!). O roteiro a retrata com muita delicadeza e, principalmente, retrata com muita delicadeza todo o processo do luto e da personagem "reencontrando-se" no mundo. A trajetória de Emily no revival é belíssima de acompanhar.

De resto, está tudo ali. É como se não tivesse passado nove anos, como se não tivesse sétima temporada... Foi como visitar um velho amigo que você não via há tempos e morria de saudade.

Revisitar "Gilmore Girls" foi emocionante.

23/11/16

veja o clipe de gabrielle aplin para a ótima "miss you"


A cantora britânica Gabrielle Aplin lançou ontem o vídeo para a sua nova música de trabalho, "Miss You". A música é a primeira amostra do EP que ela está prestes a lançar. "Miss You" é pop, é balada é uma delícia. Não é diferente de tudo o que a cantora já fez, mas apresenta sim uma certa diferença (só não me perguntem qual). 

Toda trabalhada na simplicidade, o vídeo musical acaba sendo uma ótima surpresa. O vídeo de "Miss You" tinha tudo pra ir num tom meio pastelão aka comédia romântica (pelo menos é o que eu imaginava para a música), mas "parafraseando" a nouvelle vague, um movimento do cinema francês, o vídeo apenas repercute a própria cantora em trocas de roupas e takes engraçadinhos. Simples e de muitíssimo bom gosto.

22/11/16

noah cyrus lança primeiro single e primeiro videoclipe; conheça "make me (cry)"


Noah Cyrus sempre demonstrou jeito pra coisa. Dos irmãos da Miley Cyrus (eles são em cinco!), Noah sempre demonstrou que um dia chegaria lá. Está certo que, com a adolescência, Noah ficou bastante resguardada e não dava sinais que daria o pontapé tão de imediato. Ok, isso foi um engano já que, logo no seu primeiro single, Noah já mostrou que veio pra ficar. Com muita coisa pra provar devido à família que tem, Noah começou, definitivamente, com o pé direito.

"Make Me (Cry)" é pop, ma também é indie. Segue uma tendência fonográfica, ou seja, é atual e consegue conversar, acredito eu, com outras massas. Não diria que seja uma música "para todas as idades", ma é agradável, sabe? Com um timbre bem parecido com o da irmã, Miley, e com a presença do Labrinth, "Make Me (Cry)" tem tudo pra estourar e ser um hit. E com uma divulgação basicamente feita em redes sociais e alguma estações de rádio, o lyri video já chegou nos seus dois milhões de visualizações. Por mais que tenha um apoio grande vindo "de dentro", Noah só prova uma coisa: é boa e tem tudo tudo pra conseguir se sobressair ainda mais.

E o clipe musical é bom também. Simples e intimista, apena conversa com a "história" que a própria música traz.

Agora só uma coisa: uma vibe meio Jessica Simpson com Ashlee Simpson essa coisa de irmã mais nova e lançando como cantora, não é? Praticamente um déjà vu (e dos bons).

21/11/16

com volta à atuação garantida, goldie hawn completa 71 anos de idade!


Goldie Hawn completa hoje 71 anos de idade. Rainha das comédias (românticas) americanas na década de 70 e 80, Goldie decidiu aposentar-se em 2002 com o filme "Doidas Demais" no qual protagonizou ao lado de Susan Sarandon. Acontece que, Goldie, é praticamente um patrimônio americano. É aquela típica atriz que, quando quer, consegue 'fazer' muito bem e, quando não quer, bem... também o faz bem, sabe?

De fato, acredito que Goldie nunca se preocupou muito com a carreira. Quer dizer, não lembro de nenhuma tentativa - nem mesmo frustrada - da atriz em dar uma guinada na carreira, ou seja, se tornar uma Meryl Streep, entende? Goldie parece que nunca se preocupou com as validações da indústria, muito pelo contrário.. Sempre pareceu extremamente confortável na posição em que alcançou. E olha que não foi pouco... Goldie até abocanhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante em 1970 pelo filme "Flor de Cacto".


Casada com Kurt Russell desde 1983 e mãe de Kate Hudson (que adotou Kurt como pai) e Oliver Hudson (citei apenas os dois já que ambos também são atores (e diga-se de passagem, bem conhecidos)), Goldie apenas percebeu que precisava parar na hora certa. Com "apenas" 33 créditos no IMDb, é perceptível que a atriz fazia apenas papéis que realmente a animassem, ou melhor dizendo, que ela gostaria de assistir no cinema. Talvez isso explique, por exemplo, um dos piores filmes já feitos: "Ricos, Bonitos e Infiéis", conhecido por ser um dos filmes mais caros de Hollywood e também o mais fracassado. O motivo? Não conseguiu recuperar um mísero centavo do investimento quando lançado. E, até hoje, uma das piores bilheterias de um grande filme de Hollywood.

Mas nem de fracassos vive a mulher. Goldie pode falar que fez filmes maravilhosos e que, com o tempo, se tornaram pequenos "clássicos contemporâneos" como "O Clube das Desquitadas" (sério: melhor filme!), "A Morte Lhe Cai Bem" (sério: outro melhor filme - e com Meryl Streep também!!) e o primeiro filme de Steven Spielberg, "Louca Escapada". Nas décadas de 70, 80 e 90 só dava... Goldie Hawn!


E tudo isso é apenas pra falar o que muitos já sabem: Goldie está de volta. Após 14 anos afastada de tudo, Goldie topou participar de uma série televisiva ano que vem. Ao que tudo indica, é uma série encomendada pela Netflix. Obviamente, é uma comédia que até agora vem sendo chamada apenas de "Mother-Daughter" e também terá um pouco de ação. Além de Goldie, outro nome confirmado é o da comediante Amy Schumer. E tudo indica que pode ter Bette Midler no meio também (o que seria de glorificar de pé). Provavelmente, será rodado no primeiro semestre de 2017.

E é isso... Vida longa à uma das melhores atrizes do cinema hollywoodiano, e uma das mais simpáticas, Goldie Hawn.


20/11/16

disney já planeja live-action de a branca de neve e os sete anões

A Disney permanece empenhada em realizar um live-action de todas as suas animações clássicas. Após "Cinderela" e com a proximidade da estreia de "A Bela e a Fera", a Disney já começa a trabalhar no desenvolvimento de "Branca de Neve e Os Sete Anões".

Estranhamente, a Disney parece não se importar com os últimos lançamentos envolvendo a Princesa nos últimos quatro anos. "Branca de Neve" já foi pano de fundo para todas as regravações e spin off's possíveis! A única coisa realmente animadora nisso tudo é que a Disney, claro, planeja fazer uma versão fiel ao desenho. Portanto, não teremos nenhum caçador salvador da pátria ou uma Princesa guerreira interpretada por Kristen Stewart (essa última descrição, na verdade, acaba sendo uma pena, pois GIRL POWER, não é?).

A trama tem previsão de lançamento para 2019. Por ora, o que tem de confirmação é a dupla de compositores, Benj Pasek e Justin Paul, trabalhando nas músicas pro filme. A dupla é a mesma responsável pelo musical "La La Land" que estreou em alguns festivais esse ano e fez um estardalhaço.

Lembrando que a Disney possui no gatilho o live-action de "A Pequena Sereia"...