28/04/2015

"grey's anatomy" segue sendo imbatível, mesmo após dez anos


241 episódios. Esse é o número de episódios já exibidos até agora, em onze temporadas de "Grey's Anatomy". Se você parar pra pensar, esses duzentos e tantos episódios nem são tanta coisa. Uma novela, por exemplo, exibida aqui no Brasil, costuma ter esse número (daria uns oito ou nove meses de exibição - isso se fosse de segunda a sábado, como costuma ser). Mas são dez anos e praticamente seis meses no ar durante um ano e outro (começa em setembro e termina em maio do outro ano). É muita coisa, muito tempo... Se você parar pra pensar, é, de fato, muito tempo. Claro que não é perdido, mas são dez anos interpretando o mesmo personagem, fazendo a mesma coisa (não necessariamente).

A série já demonstrou sinais de cansaço em sua nona e décima temporada. Até a oitava, é uma delícia. Mas é perceptível que as coisas se perdem no início da nona temporada. Se não me engano, Shonda Rhimes, a criadora da série, tomou conta de "Grey's" até o final da oitava temporada e depois abandonou para cuidar de outros projetos (ainda participava do planejamento e tudo mais, porém, deixou de escrever episódio por episódio), se for verdade, isso explica bastante o declínio da série justamente na nona temporada: a temporada em que Shonda foi respirar novos ares (leia-se Scandal - mas também não posso afirmar com propriedade já que, não achei a fonte disso, mas, lembro que li algo parecido há algum tempo).

 
Em todo caso, o fôlego foi recuperado. A atual temporada, por exemplo, conseguiu recuperar todo o frescor da série. Teve casos médicos interessantes e cada personagem teve a sua história contada, sem pressa. Aliás, demorou quase dez anos, mas aprenderam a dividir melhor o foco dado à história. Praticamente, foi feita uma divisão: cada personagem teve alguma coisa acontecendo, e você sabia disso, mas em cada episódio um personagem ganhava o "foco". Isso já era feito desde a primeira, mas só agora que aconteceu uma melhor divisão (você praticamente sabia, depois de iniciado o propósito daquela história que, depois de alguns episódios, já haveria um fim pra aquilo, em especial). Isso ficou óbvio com o drama vivido pela personagem da Geena Davis.

Outra coisa que merece destaque: a trilha sonora. "Grey's Anatomy" sempre teve uma trilha sonora interessante, mas nunca souberam dosar muito bem isso. Em diversos casos, havia aquela cena super dramática, e do nada, soltava uma música aleatória que quebrava o clima (a música era boa, a cena também, só não havia uma sincronia perfeita). Demorou onze temporadas, mas aprenderam que, cena dramática, precisa de uma trilha instrumental para levar o espectador ao chororô, e não de uma do Foo Fighters.

A direção da série também deu uma melhorada. Se você reparar, o ator Kevin McKidd, que interpreta o Owen Hunt na série, dirigiu diversos episódios. Não sei ao certo, mas tenho a impressão de que a maioria dessa temporada, foi dirigido por ele. E a série teve diversos momentos especiais criados por uma boa direção. Isso, em sintonia com uma boa trilha sonora e atuações, resume em um episódio feito da melhor forma possível, claro. E nessa temporada aconteceu um conjunto de obra: tudo funcionou perfeitamente.


Vale destacar a excelente participação de Geena Davis que há tempos merecia um destaque na carreira (atualmente, ela não vinha fazendo absolutamente nada, tanto na televisão como no cinema, o que é uma pena). A sua personagem teve uma história forte e bem contada e ainda proporcionou um dos melhores momentos da série, de todas as temporadas. Deixou com gostinho de quero mais. Em todo caso, valeu a pena para a própria atriz. Sarah Drew, intérprete da April Kepner, é outra que se destacou bastante (beneficiada por um plot maravilhoso que também poderia ter sido mais extenso para ganhar proporções ainda maiores). Assim como velhos personagens que andavam estagnados como a Callie Torres (estagnada, mesmo sofrendo horrores no sentindo amoroso desde sempre).

E ainda tem o caso Patrick Dempsey. Depois de dez anos, o ator abandonou a série. Quer dizer, ninguém sabe se ele abandonou, se houve algum desentendimento com a criadora da série ou com a emissora, mas o que todo mundo sabe é que... o personagem morreu (nem marquei como spoiler, acredito que você já saiba disso, certo?). Não vou dizer que foi do nada, afinal, o personagem "andava"estranho desde o início dessa temporada. Não estava apareceu em todos os episódios e teve diversos momentos que dava pra perceber que o roteiro não queria beneficiar o personagem (como se quisessem que o espectador realmente torcesse pelo fim do personagem). Em todo caso, a morte em si, foi bonita e bem feita. Representou, sim, um belo final.


Ninguém sabe o que vai ser da série agora, claro. Mas é praticamente impossível a não renovação para a décima segunda temporada. A audiência vai muito bem e tem sim plots maravilhosos para uma temporada sem Derek Sheperd (imagina o sofrimento da protagonista?). Se vai passar de uma décima segunda temporada, é difícil saber, mas, "Grey's Anatomy" merece um fim digno e bem feito. E, pelo visto, se for realmente o fim, a série terá um fim bacana, de novela mesmo, como tem que ser.

Um comentário:

Chris Eldridge disse...

Nossa, me desculpa mas eu não suporto - desisti na terceira temporada, tudo o que acontecia naquele hospital não dava pra tolerar.

Gossip of Men
gossipofmen.blogspot.com.br